Algumas considerações sobre a esperança

esperançaNo que tange à esperança, a própria palavra nos fornece pistas para iniciarmos nossos propósitos, pois o prefixo spes significa algo como “aguardar algo positivo”. Vale ressaltar que, no latim, também origina o verbo esperar. Temos, portanto, a “esperança” e o “esperar” com um certo grau de parentesco, e para coroar suas ligações mais estreitas, vamos seguir por meio de um exemplo.

Quando se espera por alguma coisa estamos aguardando por algo que ainda não o é, que ainda não existiu. Estamos nos servindo de uma redundância, mas não podemos descartá-las neste ponto, pois elas podem ser de grande utilidade quando nem sempre o óbvio é, de fato, óbvio. Sendo assim, a espera é um exercício da imaginação em que se projeta uma possibilidade na falta e não em sua presença.  Quando esperamos um ônibus – e esse é o nosso exemplo privilegiado –  vivemos essa sensação de espera impotente e incerta de um ônibus que ainda não se materializou. Quando esperamos por uma pessoa também vivemos a sensação de viver essa falta que não oferece garantias.

A esperança e a espera não se identificam, pois podemos esperar na presença. Mas a esperança é um afeto, em que ficamos à espera de algo na possibilidade de que esse algo possa vir a se realizar. Seja na vida, seja em outro lugar. Podemos esperar a vida toda nutridos por uma esperança e ver a vida passar sem desfrutar das presenças que nos coabitam, mas viver orientados por uma ausência, por um possível porvir. Na esperança criamos condições para não viver a vida ou que lhe transcendem, e podemos perceber sua expressão em alguns recursos verbais como “quando isso acontecer, logo…” ou a partir da lógica: “se isso acontecer, então…”.

Vejamos algumas consequências para a esperança. A primeira delas – se é que podemos chamar de consequência – é a própria natureza da esperança. A esperança é um afeto alegre, pois traz alegria por meio da imaginação, realizando-se nesse nível. Na história do pensamento, sua natureza tem uma origem: o cristianismo. Antes disso (na Grécia Antiga) era impensável uma vida na esperança, uma vida que espera. Percebemos que, assim, a esperança situa-se enquanto uma das três virtudes teologais, encontrada, inclusive, no Compêndio de Catecismo da Igreja Católica publicado em 2005.

No entanto, hoje em dia a esperança não se resume a uma espera em vida, pelo que transcende a vida, ou exclusiva do cristianismo, mas podemos ter esperança no ponto de ônibus ou relacionada a um desejo por outrem. Por exemplo, quando se espera que alguém mude seus hábitos, temos o complicador da esperança. Além dela oferecer, como consequência, uma alegria (apesar de nem toda alegria ser esperançosa), ela também inclui a impotência, pois se espera aquilo que não se pode obter por meio da própria ação, do próprio esforço individual. Além disso é um impedimento do gozo, pois fica-se submetido a uma espécie de adiamento intermitente e indefinido. A esperança também é ignorante no sentido de não se saber se vai acontecer e mesmo como vai acontecer, caso se realize.

Por fim, não há como avaliar a esperança como boa ou ruim a priori, pois depende do pensamento em questão. Ou seja, os critérios que definem a importância desse afeto serão em acordo com o campo semântico a ser definido. No campo cristão, ela é condição de uma vida boa e surge como forma de alegria por meio de uma espera pela vida eterna. Em tempos ruins, por exemplo, a esperança pode proporcionar alegria como uma aposta de tempos melhores, aliviando (com maior ou menor êxito) algumas das dores da existência.

Outras considerações indicam que, por não ser presença, sua sobrevivência reside na imaginação  e em sua duração. Para alguns, viver na imaginação tem um nome: ilusão. Uma vida que se espera é uma vida ausente, e muitos a esperam sentados ou criam condições para se manter na esperança (e o fazem justamente quando há a possibilidade de verem suas próprias aspirações realizadas, criando novas e inalcançáveis condições para uma vida feliz. E assim se mantêm na falta). Nesse caso, a morte é onde a esperança acaba. Afinal, não é gratuitamente que se diz que ela é a última que morre.

E assim se espera…

espera

Anúncios

2 comentários sobre “Algumas considerações sobre a esperança

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s